Mostrando postagens com marcador Universidade Positivo. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Universidade Positivo. Mostrar todas as postagens

sábado, 23 de setembro de 2017

Processo de Gestão da Inovação

Processo de Gestão da Inovação 
A necessidade de ofertar melhores produtos e serviços torna o ambiente competitivo repleto de mudanças, e a única alternativa é a inovação para não sair do mercado. No entanto, não basta inovar uma vez. Para as organizações terem longevidade e lançarem novos produtos e serviços de maneira sistemática e contínua, precisam gerenciar bem a inovação.


Facilitação Gráfica, Max Ribeiro, Processo de Gestão da Inovação
Facilitação Gráfica - Max Ribeiro

Um processo estruturado de gestão da inovação é composto de atividades que permitem às organizações utilizar recursos (de competências, de infraestrutura, tecnológicos e financeiros) para aumentar sua capacidade inovativa.



Referênica:
REIS, D. R. de. CARVALHO, H. G. CAVALCANTE, M. B. Gestão da Inovação. Curitiba: Aymará, 2011

terça-feira, 5 de setembro de 2017

Teoria da Agência: Agente - Principal

TEORIA DA AGÊNCIA


Max Ribeiro, Facilitação Gráfica, Graphic Facilitation
Facilitação Gráfica - Max Ribeiro


Max Ribeiro, Facilitação Gráfica, Graphic Facilitation
Facilitação Gráfica - Max Ribeiro


Max Ribeiro, Facilitação Gráfica, Graphic Facilitation
Facilitação Gráfica - Max Ribeiro




TEORIA DA AGÊNCIA

A teoria da agência analisa os conflitos que surgem no seio das empresas provocados pela divergência de interesses dos diversos agentes. Os economistas Jensen e Meckling  foram os impulsionadores da teoria da agência, que analisa os conflitos que surgem no seio das empresas provocados pela divergência de interesses dos diversos agentes. Jensen e Meckling identificam dois tipos de conflitos, os conflitos entre acionistas e gerentes, e entre acionistas e credores. A teoria da agência centra-se em torno de um agente (gestor) que é contratado para agir em nome de um outro agente (principal). Nem sempre os interesses entre os acionistas e os gestores seguem na mesma direção, por vezes surgem conflitos de interesses reflexo dos diferentes interesses e expectativas.


Com o objetivo de analisar os conflitos, Jensen e Meckling introduziram a variável custos de agência para analisarem o seu impacto na estrutura de capital das empresas. Os custos de agência são compostos por três elementos, o custo de oportunidade reflexo da redução da riqueza quando existem divergências entre acionista e gestores, custos de controle das atividades dos gestores, tais como auditoria e outros controles, custos de falência e reestruturação da empresa.


A teoria da agência defende que quanto maior for a separação entre o acionista e o gestor maior será também o conflito de interesses. A concentração de poder nos gestores poderá leva-los a agir em primeiro lugar em função dos seus interesses pessoais deixando para segundo plano os interesses dos acionista. Os conflitos de agência podem influenciar de forma direta a estrutura de capital das empresas e comprometer a criação de valor para as mesmas.


Jensen e Meckling concluíram que a estrutura de capital ótima é alcançada com a redução dos custos de falência. O endividamento também diminui o conflito de interesses entre gestores e acionista, dado que os fluxos gerados pela atividade operacional terão de liquidar juros e amortização de dívida, ficando menos recursos livres para que os gestores de alguma forma possam usufruir a título pessoal dos mesmos.


Os conflitos de interesses entre acionista e credores surgem da substituição dos ativos, por vezes os acionista são incentivados a trocar os seus ativos por ativos mais competitivos que representarão retornos superiores, mas que têm risco superior. Quando se tratam de projetos com risco elevado, os credores procuram impedir essa troca prevendo que o investimento poderá não ter o retorno esperado e que a empresa poderá não ter a capacidade de liquidar as suas dívidas para com os seus credores.


O conflito de interesses entre acionista e credores gera também um custo acrescido para os credores que terão de analisar se a empresa possui um histórico de bons projetos e de pagamento de dívidas. Quando se tratem de empresas com boa reputação também os custos de financiamento serão inferiores dado que o risco de incumprimento também será menor.


Em conformidade com a teoria da agência refere que as relações empresariais funcionam com base em contratos, que incluem dois sujeitos, o principal e o agente. O principal estabelece determinado objetivo e usa o agente (a quem delega poder de decisão) como um meio de atingi-lo. Porém o agente também tem interesses próprios, que não são necessariamente coincidentes com os do principal, podendo assim ocorrer conflitos entre os dois. A eliminação do risco associado a este conflito origina custos para a empresa, denominados por custos de agência. Por outro lado, teoria da agência coloca a hipótese de assimetria de informação entre os intervenientes no mercado financeiro, sugerindo a possibilidade de os fluxos dos rendimentos das empresas serem influenciados pelas decisões de financiamento.

Referencias:

Silva, Miguel (2013). Bolsa – Investir nos Mercados Financeiros. 1ª Ed. Lisboa: Bookout.

Fonte: http://knoow.net/cienceconempr/financas/teoria-da-agencia/



sexta-feira, 14 de julho de 2017

Desenhos e Doutorado

TEORIAS DA INOVAÇÃO


Facilitação Gráfica, Max Ribeiro
Facilitação Gráfica, Max Ribeiro


Facilitação Gráfica, Max Ribeiro
Facilitação Gráfica, Max Ribeiro


Facilitação Gráfica, Max Ribeiro
Facilitação Gráfica, Max Ribeiro

Facilitação Gráfica, Max Ribeiro
Facilitação Gráfica, Max Ribeiro

Facilitação Gráfica, Max Ribeiro
Facilitação Gráfica, Max Ribeiro

Facilitação Gráfica, Max Ribeiro
Facilitação Gráfica, Max Ribeiro

Facilitação Gráfica, Max Ribeiro
Facilitação Gráfica, Max Ribeiro

Facilitação Gráfica, Max Ribeiro
Facilitação Gráfica, Max Ribeiro

Facilitação Gráfica, Max Ribeiro
Facilitação Gráfica, Max Ribeiro

Facilitação Gráfica, Max Ribeiro
Facilitação Gráfica, Max Ribeiro

Facilitação Gráfica, Max Ribeiro
Facilitação Gráfica, Max Ribeiro


TEORIAS DAS ORGANIZAÇÕES


Facilitação Gráfica, Max Ribeiro
Facilitação Gráfica, Max Ribeiro

Facilitação Gráfica, Max Ribeiro
Facilitação Gráfica, Max Ribeiro

Facilitação Gráfica, Max Ribeiro
Facilitação Gráfica, Max Ribeiro

Facilitação Gráfica, Max Ribeiro
Facilitação Gráfica, Max Ribeiro

Facilitação Gráfica, Max Ribeiro
Facilitação Gráfica, Max Ribeiro

Facilitação Gráfica, Max Ribeiro
Facilitação Gráfica, Max Ribeiro

Facilitação Gráfica, Max Ribeiro
Facilitação Gráfica, Max Ribeiro

Facilitação Gráfica, Max Ribeiro
Facilitação Gráfica, Max Ribeiro


MÉTODOS QUANTITATIVOS



Facilitação Gráfica, Max Ribeiro
Facilitação Gráfica, Max Ribeiro

Facilitação Gráfica, Max Ribeiro
Facilitação Gráfica, Max Ribeiro


sábado, 3 de setembro de 2016

COMUNICAÇÃO E LIDERANÇA

PDL - COMUNICAÇÃO E LIDERANÇA
Universidade Positivo
01.09.2016

Facilitação Gráfica Max Ribeiro
Facilitação Gráfica Max Ribeiro

Facilitação Gráfica Max Ribeiro
Facilitação Gráfica Max Ribeiro

Facilitação Gráfica Max Ribeiro
Facilitação Gráfica Max Ribeiro

Facilitação Gráfica Max Ribeiro
Facilitação Gráfica Max Ribeiro

Facilitação Gráfica Max Ribeiro
Facilitação Gráfica Max Ribeiro

quinta-feira, 4 de junho de 2015

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

Facilitação Gráfica Max Ribeiro
Facilitação Gráfica Max Ribeiro
É uma metodologia administrativa que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, e que visa ao maior grau de interação com o ambiente, no qual estão os fatores externos ou não controláveis pela empresa.

O planejamento estratégico deve considerar toda a empresa e não apenas uma de suas partes. Nesse contexto pode ser considerado, no mínimo,  inadequado falar-se planejamento estratégico de marketing, planejamento estratégico de recursos humanos, planejamento estratégico de produção, etc. Esses tipos de planejamento são táticos, pois consideram uma parte bem delineada da empresa. É evidente que esses planejamentos tratam de questões estratégicas, mas não abordam a empresa como um todo e, portanto, devem ser denominados planejamento tático de marketing, planejamento tático de recursos humanos, planejamento tático de produção, etc.

A afirmação de que o planejamento estratégico considera o sistema empresa como um todo pressupõe o entendimento de que este "todo" também pode representar, conforme o caso, uma corporação ou grupo empresarial, bem como uma unidade estratégica do negócio.



Facilitação Gráfica Max Ribeiro
Facilitação Gráfica Max Ribeiro

Facilitação Gráfica Max Ribeiro



Facilitação Gráfica Max Ribeiro
Facilitação Gráfica Max Ribeiro
Planejamento é a capacidade  de diagnosticar e analisar situações atuais, de articular objetivos empresariais de forma integrada aos objetivos pessoais e de delinear estratégias - inclusive alternativas - para alcançar esses objetivos, bem como de políticas que servem de sustentação a esse processo.







Facilitação Gráfica Max Ribeiro
Facilitação Gráfica Max Ribeiro

Facilitação Gráfica Max Ribeiro
Facilitação Gráfica Max Ribeiro

Facilitação Gráfica Max Ribeiro
Facilitação Gráfica Max Ribeiro

Facilitação Gráfica Max Ribeiro
Facilitação Gráfica Max Ribeiro

Facilitação Gráfica Max Ribeiro
Facilitação Gráfica Max Ribeiro

Facilitação Gráfica Max Ribeiro
Facilitação Gráfica Max Ribeiro

Facilitação Gráfica Max Ribeiro
Facilitação Gráfica Max Ribeiro

Facilitação Gráfica Max Ribeiro
Facilitação Gráfica Max Ribeiro

Facilitação Gráfica Max Ribeiro
Facilitação Gráfica Max Ribeiro

Facilitação Gráfica Max Ribeiro
Facilitação Gráfica Max Ribeiro




OLIVEIRA, Djalma de Pinho Rebouças de. Administração estratégica na prática: a competitividade para administrar o futuro das empresas. 7 ed. São Paulo: Atlas, 2011.